quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Nossa witbier incrível, um ano depois

Faz um ano desde a nossa última brassagem, quando fizemos duas levas da nossa witbier lindona, Grano dal Cielo. A cerveja foi a lembrança do meu casamento e foi muito querida, tanto por nós quanto por convidados.

Um ano depois, decidimos repetir a dose. Fizemos mais duas receitas da Grano.

Na panela!

Dessa vez, adaptamos a receita para usar um número redondo de ingredientes e evitar aquelas sobrinhas de malte que ficam jogadas na geladeira. O resultado foi uma densidade um pouco maior e, estranhamento, uma quantidade bem maior. Talvez pela diminuição de perda no processo?

Essa quantidade maior não coube no nosso fermentador. O jeito foi usar duas garrafas de vidro de dois litros cada para desafogar o balde um pouco. Mesmo assim não foi suficiente - é só ver na foto que a cerveja "babou" no primeiro dia de fermentação.

Babou!


A brassagem também foi bem mais tranquila. Terminamos tudo por volta das 15h, quando normalmente vamos até à noite! Será que estamos aprendendo?!

Agora, a Grano está em processo de maturação. E ficou super clarinha e bonita. Promete!

A nossa wit definitivamente entrou para o nosso rol de receitas já estabelecidas.

Mais fotos:

Fermentador cheio

Já é a quinta brassagem da Grano!

Na labuta
Prontas para maturar

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Garten Bier em festa


E foi revelada aquela remessa especial de Garten Bier! Eu estava esperando as fotos oficiais do Dantas para terminar este post, porque vocês precisavam ver como ficaram fofoletes as nossas cervejas com "roupinha" e decoração!

Repetimos a nossa receita de witbier, a Grano dal Cielo, dessa vez duplicada, para as lembrancinhas do meu casamento (ohnhonho!). Fiz os rótulos e mandei imprimir em adesivo, como fizemos com algumas outras levas, já. As cores foram as mesmas da decoração do casamento e do convite e as garrafinhas eram de 360 ml.

Como achávamos que eram 330 ml, acabou rendendo um pouco menos do que o previsto. Além disso, o trajeto Macaé - Rio foi pesado para as garrafinhas e umas duas "morreram" pelo caminho.


A densidade da cerveja ficou um pouco mais baixa do que costumamos fazer, o que acabou sendo o melhor - muita gente não está acostumada com "cerveja artesanal" e acaba achando forte demais quando prova pela primeira vez. Assim, acho que conseguimos agradar mais gente assim. Ficou super fresquinha, cerveja de verão.

Olha só os criadores, todos felizes de verem a cria exposta:




<3 <3 <3

Fotos de quem provou a Garten Bier especial!

Iago e Karine!
Daniel Ruffo
Carlos "live in Montreal" Bertazzo
Se você também foi um dos felizardos, "contaí" o que achou e manda a sua foto também!

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Salem, Detritus e Grano: cervejaria bombando!

"Por motivos de cachorro maior" (ou menor), não tive tempo de atualizar o blog com as novidades da Garten Bier! Mas agora eu tiro o atraso correndo:

Salem


Uma grande leva de Salem, nossa cerva de centeio, foi engarrafada em garrafinhas lindas de 330ml compradas especialmente para um evento. Como eu sou uma pessoa enrolada, a cerveja ficou pronta, o evento não. As chances de a gente beber tudo sozinho são grandes! Para variar, ficou uma delícia (a Salem é provavelmente a nossa melhor receita, pelo menos a mais unânime aqui em casa).

Detritus


A Rauchbier "limpa-trilha", que foi apelidada de Detritus, ficou pronta. Olha que cor bonita! Ainda não provei, mas "dizem as más línguas" que ficou ótima, levemente defumada.

Grano dal Cielo III


E como a produção não para, o dia 25 de março foi dia de brassagem novamente. Foi a primeira brassagem feita com o nosso novo panelão, para fazer duas levas de uma só vez, e foi um sucesso. A parte mais difícil foi a de chillet - conseguir resfriar mais de 35 litros de uma vez não é nada fácil, ainda mais sem gelo. Usamos nossa água de chuva, que fica armazenada em um galão, mas demorou horrores para conseguir gelar tudo.

Panela mãe e panelas filhas
Atrasei tanto para publicar isso que agora ela já até fermentou. Olha que cor bonita!



Desta vez, carregamos um pouco mais na semente de coentro e aliviamos o lúpulo, que estava atacado das duas primeiras vezes. Mais tarde posto a receita final!

domingo, 6 de março de 2016

Rótulo, panela, cerveja e livro novos

A Detritus (de detrito spaziale), nossa cerveja de "lixo" cósmico defumado, saiu do fermentador. E olha que cor lindona!


E, para as próximas levas, olha o panelão que chegou lá em casa! 60l para fazer duas levas de uma vez sem precisar separá-las durante a fervura! Os nossos panelões antigos ficaram parecendo filhotes.


A Salem, nossa cerva de centeio, que está sendo melhorada a cada leva, ganhou, finalmente um rótulo também. Ainda não mandamos imprimir, porque a impressão anterior (em adesivo) estava ficando cara demais - vamos encontrar o jeito certo de fazer esses rótulos! Como vocês imprimem?


Também incluímos um novo livro na prateleira, que já está dando um monte de ideia legal:



"Cerveja Em Casa - Receitas e Dicas Para Fabricar A Sua Própria Cerveja", de Christina Perozzi e Hallie Beaune.

Ele vai se juntar aos outros que já estavam em casa:


Outra dica é o livro "How to brew", de John Palmer, um dos clássicos, que alguém traduziu e colocou na internet (shhh). O link é este aqui. Ainda não li.

Alguém tem mais dica de livros legais?


terça-feira, 1 de março de 2016

Brassagem: defumada sem nome

Enquanto eu estava curtindo uma dengue dolorida em casa, no Rio de Janeiro, os fogões foram ligados novamente na Garten Bier. Meu parceiro de brassagens, que anda "brassando" sozinho ultimamente, resolveu fazer um "lixo cósmico", ou seja, uma reunião do que tinha na geladeira - famoso "mexido". Pela nossa experiência, essas costumam ser as melhores, a julgar pela Meteorite, que ficou maravilhosa e foi feita de "restos" de maltes.


Para o "dia do lixo", preparei uma receita de Rauchbier (já que a nossa última Rauch não foi tão forte assim). Na hora, faltou Hallertauer, então ele foi substituído pelo Galena (12,5% Alpha).




O nome dessa ainda está pendente. Tem alguma constelação que lembre porco? Bacon? Toucinho?

Aguardemos. ;)

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Novidades 2: Kilimanjaro II

Continuando as novidades da cervejaria!


28 de janeiro: Brassagem da Kilimanjaro


Enquanto eu estava no Rio trabalhando, a cervejaria continuou a funcionar sem mim! É que o meu "sócio" resolveu fazer uns testes com a Kilimanjaro, nossa black porter.

Nosso sistema de recirculação de mosto, que ainda está sendo aprimorado

Sem a minha "supervisão", o cervejeiro saiu queimado

13 de fevereiro: Envase

No dia 13 de fevereiro, voltei à Macaé e a gente aproveitou para engarrafar tanto a Kilimanjaro quanto as duas levas de Salem feitas no início do mês. O resultado foram 32,5 litros de Salem e 16 litros de Kilimanjaro. Se prepara para a sessão de fotos!






14 de fevereiro: Brassagem da Kilimanjaro


Cansados de todas as vezes esquecermos alguma coisa, preparamos um checklist para a brassagem do dia 14. Dessa vez lembramos de todos os testes de iodo e de densidade e tudo aconteceu conforme o previsto.
Para tirar de vez a dúvida sobre a densidade, fizemos de dois jeitos diferentes:
  1. 20 litros mexendo muito o mosto, sempre com o nosso "remo", sem parar, como costumávamos fazer antes;
  2. 20 litros mexendo quase nada, somente recirculando o mosto com a bomba.

O resultado foi:
Antes da trasfega:
  1. 15 BRIX
  2. 10 BRIX
Antes de ferver:
  1. 9 BRIX
  2. 7 BRIX
Depois da fervura:
  1. 11 BRIX
  2. 9 BRIX
O problema pode até não ter sido só esse, mas deu para perceber que faz diferença não mexer o mosto, né?

A quantidade também mudou. Do primeiro jeito, começamos a ferver 24,5 litros e tivemos um final de 18 litros no fermentador. Do segundo, passamos de 22 litros para 17.

Escalando a Kilimanjaro
No final, juntamos as duas no nosso fermentador grandão (que, na verdade é um litrão de leite). Fermentamos os dois juntos com dois Lallemand Nottingham Ale.

Para melhorar esse problema de densidade, o Professor Pardal agora tem a missão de "inventar" um mexedor automático.

Mais novidades à vista:

Last, but not least... Estamos pensando numa forma de alguns amigos conseguirem pedir algumas garrafas para provar e ainda ajudar a gente com um feedback. No futuro a gente avisa!

Novidades 1: Nebulosa, Supernova e Salem

O blog está tão atrasado (e nós estamos tão ativos em 2016), que eu vou precisar dividir este post em vários, só para dar conta.

Vou tentar fazer tudo em ordem cronológica para nos lembrarmos mais tarde.

Primeiro, ficaram prontas as cervejas Nebulosa (nossa defumada) e a Supernova (nossa pilsen, igual à Everest). A Nebulosa acabou não ficando tão defumada quanto uma Rauchbier, mas ficou super gostosa.

Supernova e Nebulosa no copo

Supernova animando o Suporbowl!
Como já mostrei no post anterior, as duas tiveram rótulos lindões! Mas eles são tão lindões que a brincadeira está ficando cara, por isso estamos estudando formas de rotular mais baratas, alguém tem alguma ideia?

Engarrafadas!


Salem


No dia 23 de janeiro, brassamos mais duas levas de Salem, a nossa cerva de centeio. A primeira vez foi um sucesso, por isso, tínhamos boas esperanças. O objetivo era servir de brinde para uma festa, mas acabou não acontecendo.

Dia de brassagem

Estamos testando um novo sistema de recircular o mosto com uma bomba e diminuindo o trabalho de mexer aquilo o tempo todo. Durante a brassagem da Salem, usamos uma caixa de passagem para evitar o que aconteceu na última vez, que quebrou o nosso fundo falso. Essa parte foi resolvida, mas, mesmo assim, a densidade final foi muito pequena.

Tínhamos 3 possíveis razões para isso:
  • quantidade maior de água (ainda estamos nos entendendo com a quantidade de água)
  • problemas no moedor (será que não moemos direito e muitos grãos ficaram inteiros?)
  • falta de força mecânica mexendo o mosto (será que não pode "não mexer" mesmo usando a bomba?)
Fato é que não vai ficar ruim (nunca fica ruim!) mas decidimos não usar essa como presente agora.

E assim a Salem foi para a geladeira!